• Centro Médico Luiz Cunha

    Sala 205. Aracaju - SE

  • Consultas:

    79 3211-6429 | 79 3041-3540 | 79 98891-3921

Transtornos do Sono

Transtornos do Sono

Transtornos do Sono

O sono é um fenômeno fisiológico que envolve uma alteração do sistema nervoso, suspendendo parcialmente as relações do indivíduo com o mundo externo, por cerca de 1/3 da vida. É de pensar-se, pois, que o sono tem alguma função orgânica, embora ela ainda não seja conhecida.

Quais são os principais transtornos do sono?

Insônias

A insônia constitui uma “inabilidade crônica para obter a quantidade ou qualidade de sono necessária para manter um adequado comportamento diurno”. Pode-se reconhecer os seguintes tipos de insônias: insônia inicial, dificuldade de começar a dormir; insônia intermitente, a pessoa começa bem o sono, mas acorda muito e tem dificuldade de voltar a dormir; insônia terminal, o despertar ocorre pela madrugada. A insônia é frequente em todas as situações onde existam ansiedade ou depressão. Os benzodiazepínicos, usados por vezes no tratamento das insônias, proporcionam melhora subjetiva na qualidade do sono, mas encurtam o que parece ser a parte repousante ou restauradora do sono.

Parassonias

Parassonias são transtornos causados ou exagerados pelo sono. As mais comuns são:

Enurese: é um distúrbio mais frequente em crianças emocionalmente perturbadas. Às vezes tem causas orgânicas, como diabetes, cistites, anomalias do trato urinário, epilepsia, etc. Ocorre mais em crianças do sexo masculino do que feminino. Podem também ocorrer em adultos jovens ou em idosos.

Sonambulismo: Caracterizado pelo exercício de atividades motoras bem coordenadas, embora o indivíduo esteja dormindo. De início a pessoa mantém os olhos abertos e a expressão vazia e podem ocorrer murmúrios, fala incoerente e respostas monossilábicas. Em casos especiais, as pessoas executam atividades complexas como fazer café, andar de bicicleta, etc. Deixada a si, usualmente a pessoa retorna para a cama e no dia seguinte não se lembra do ocorrido, nem relata um sonho. O sonambulismo é mais frequente no primeiro terço da noite.

Comportamento R.E.M. anormal: Há um desequilíbrio entre a atividade mental do sonho e a ausência da inibição motora relacionada ao conteúdo onírico, fazendo com que o indivíduo "realize" o seu sonho. Esta atividade motora pode atingir a(o) companheira(o) e resultar em traumatismos diretos. Tais pacientes, embora não sejam agressivos quando acordados, podem sê-lo durante o sono. Além disso, costumam relatar sonhos intensos e vívidos, frequentemente com conteúdo agressivo. Nota-se um sono agitado, que pode ocorrer todos os dias, frequentemente no final da noite, quando predomina o sono REM. Pode ser precipitado pelo uso de inibidores da recaptação da noradrenalina, sendo mais frequente em homens e idosos.

Pavor noturno: Talvez seja o mais bem estudado dos transtornos do sono. Cerca de trinta minutos após o início do sono a pessoa (em geral uma criança, mas também pode ser um adulto) senta na cama, grita, sua e tem a expressão aterrorizada. As tentativas de acalmá-la, feitas por outras pessoas habitualmente não têm sucesso. Em geral, não se guarda memória do episódio na manhã seguinte.

Incubus: Parassonia relacionada ao pavor noturno, que ocorre com menor frequência no adulto e é caracterizada por opressão respiratória, paralisia parcial e ansiedade.

Sonhos Terroríficos

São sonhos de conteúdo assustador ou desconfortável que ocorrem repetidamente em quase todas ou mesmo em todas as noites, às vezes fazendo com que a pessoa tenha medo de dormir. Inversamente à maioria dos distúrbios anteriores, acontecem na fase R.E.M., ocorrem mais na parte terminal do sono, são acompanhados de imagens oníricas e são recordados no dia seguinte. Ao contrário dos fenômenos que ocorrem nas fases de ondas lentas, não tendem a diminuir com a idade, nem são influenciados pelas medicações que afetam aqueles outros transtornos.

Apneia do Sono

É constituída por episódios de pausas da respiração durante o sono que duram de 15 a 30 segundos, mas que podem levar ao despertar. Em algumas ocasiões ela é devida a uma falta de estímulo central (apneia central), a obstruções das vias respiratórias superiores (apneia obstrutiva) ou a uma combinação das duas (apneia mista). Embora esse acordar dure apenas uns poucos segundos e quase nunca seja percebido pelo indivíduo, pode chegar a várias centenas numa noite. Pode ocorrer em todas as idades e na maioria das vezes está associada à obesidade.

Narcolepsia

O principal sintoma dessa parassonia é um ataque irresistível de sono que dura de 5 a 30 minutos e que às vezes acontece abruptamente e sem aviso, nas mais inusitadas situações. Outras manifestações são: perda abrupta do tônus muscular; reação parecida a um desmaio, chamada cataplexia; paralisias musculares generalizadas ao acordar; alucinações hipnagógicas (ao acordar); latência para o sono diminuída (tempo necessário para continuar a dormir). Durante um acesso típico ocorre queda da mandíbula, a cabeça projeta-se para frente, os braços pendem e os joelhos dobram. Uma das consequências graves da narcolepsia é a morte durante a direção de máquinas ou veículos, por exemplo. Os ataques podem ser precipitados por emoções como raiva, medo e excitação sexual. O caso típico é o da pessoa enraivecida que de repente cai ao solo, paralisada. Há um forte componente hereditário na causa da narcolepsia, embora em geral seu efeito só se manifeste na segunda década da vida.

Os Tratamentos

Somente um médico pode dizer qual o tratamento/medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.